Quanto custa sua Independência Financeira?

Salve galera da Finansfera!

Estamos todos aqui lutando para escapar de uma vez por todas da corrida dos ratos.

Muitos priorizam a redução do consumismo, outros buscam os investimentos mais rentáveis e há ainda aqueles que vão pela linha dos aportes. Em todo caso as vertentes não são excludentes e devem ser usadas de forma otimizada, em função de questões individuais para que juntas levem à Independência Financeira (IF) mais rapidamente.




Eu sou da linha da renda passiva, sem depletação do patrimônio para bancar as despesas ordinárias. Na minha visão de mundo atual, a venda deve ser evitada. Isso implica num excesso de patrimônio e consequentemente maior esforço na fase acumulação.

Outro fator é que Sra. Janota e eu não fazemos questão de deixar herança/legado para nossos familiares. Mas algo vai ficar, por conta da questão de não vender o patrimônio acumulado para bancar as contas do dia a dia.

Como essas premissas me são muito caras para que eu abra mão delas, resolvi fazer umas simulações sobre os valores necessários de acumulação de forma a reduzir o tempo para atingir a IF!

Hoje considero que uma renda passiva de R$6.000 seriam suficientes para manter nosso atual padrão de vida. Esse dinheiro viria de ativos diversos que estamos construindo hoje!

Fiz uma pesquisa de um yield aderente com a realidade para uma carteira com 100% de uma única classe de ativos, e após todos os impostos resultasse numa renda líquida de 6k.
Tabela 1: Panorama veículos de investimento
Previdência
Previdência privada nem é exatamente um investimento, de fato é um seguro, e até por isso não costuma ser competitiva, especialmente pelas altíssimas taxas. Tem a vantagem de reduzir seus impostos na fase de acumulação e te devolve os aportes numa taxa fixa de imposto de renda de 10% sobre todo o provento recebido na aposentadoria.

A grande complicação é a tábua atuarial. O seguro calcula sua expectativa de vida, coloca uns fatores previdenciários de forma que o grande beneficiário do plano seja a própria seguradora. O patrimônio acumulado vira pensão para o companheiro(a) em caso de morte e o saldo acumulado vai para os acionistas da seguradora após a morte desse pensionista. Não gosto desta modalidade, mas tenho.

Para os cálculos utilizei uma aposentadoria aos 55 anos, quem quiser pode acessar o site de qualquer seguradora e fazer sua própria simulação.





IPCA+ Com juros Semestrais
Essa é uma opção simples, prática e relativamente segura, falei um pouco sobre títulos públicos neste post. Este título paga um yield de 6% anual, por definição, é assim que ele foi construído, desta forma se você contratá-lo com uma taxa abaixo de 6% já estará reduzindo o poder de compra do principal no futuro.

Particularmente não gosto desta opção, gosto de títulos que devolvem tudo no vencimento. Os cupons reduzem a rentabilidade por conta do imposto cobrado a cada 6 meses neste "resgate parcial".

Imóveis
Imóvel é a grande vedete brasileira! Baixa rentabilidade, baixa apreciação do capital, que na média segue a inflação com grandes ciclos de apreciação e depreciação, em função dos ciclos econômicos. Mas quem já viu poupança presa no plano Collor e um sem números de invencionices econômicas sabe o valor de ter um patrimônio sólido como rocha (desculpa o trocadilho). Essa modalidade é tributada segundo a tabela progressiva do IR, a mesma dos salários e rendimentos de profissionais liberais.

Utilizei informações de Yield do Carteira G65 único blog que conheço que discute mais profundamente essa forma de renda passiva.

É preciso imobilizar muita grana para compor uma boa renda e a ainda tem o problema da rentabilidade e liquidez baixa, mas tem seu valor e não pode ser desprezada.

Tenho uma grana no FGTS e pretendo no médio prazo convertê-la num apartamento para renda passiva.

REITs e Ações no USA
O Tio Sam é guloso e segura 30% dos recebimentos em dividendos tanto em REITs, como em Ações. Há também uma modalidade de investimento de alto yield chamado MPL que cobra 39,6% de imposto, fiz um post sobre essa modalidade e você confere aqui.

Esse dinheiro é recolhido na fonte pela própria corretora. Não tem choro nem vela. Existe acordo para utilização deste imposto recolhido para abater os impostos que seriam devidos aqui no Brasil.

Dividendos recebidos no exterior são taxados na tabela progressiva do IR e devem ser ajustadas anualmente, com todas as outras fontes de renda. Como recebo um salário na faixa mais alta, na prática terei "créditos tributários" que dificilmente irei abater. Mais detalhes sobre esse tema vocês encontram no post que fiz sobre imposto de renda de investimentos no exterior.

Fiz uma carteira teórica de REITs composta por VTR, O, SPG, IRM, OHI, PSA, DLR e AMT.

A carteira de ações teórica contém OXY, CVS, MO, ADM, PFE, JCI, JNJ, KO, QCOM, T e MCD.

O DY foi calculado numa carteira em que cada ativo possui o mesmo peso e o dolar de conversão foi o de 3,37 BRL/USD. Todas as cotações se referem ao fechamento do dia 06/04/2018.

Como estou na fase de acumulação, a diferença entre o que o Tio Sam mordeu e o imposto devido aqui no Brasil é pequena e não é um grande problema. Mas quando atingir a Independência Financeira, também chamada FIRE (do inglês Financial Independence and Retirement Early) a diferença será ainda maior. Ainda não achei uma solução para essa questão.

As ações tem um dividend yield (DY) muito baixo, especialmente neste tempo de excesso de liquidez e juros reais negativos em muitos mercados desenvolvidos. Mas a possibilidade de ganho de capital é boa no longo prazo. Me agrada ter uma renda passiva em moeda forte. Gosto muito de viajar e uma renda no exterior é um importante pilar para manter esse hobby. De outra forma ficaria dependente das variações cambiais.

Os REITs são muito parecidos com ações e por isso agrupei neste mesmo tópico. A grande diferença está no DY que é maior, mas a possibilidade de apreciação de capital é menor.





Ações e FIIs no Brasil

Os FIIs possuem alto DY, mas a apreciação de capital tende a ser baixa, próxima à inflação. Nos últimos meses os FIIs tem tido uma forte apreciação de capital, que poderá ser revertida quando os juros voltarem a subir, mas na média a apreciação irá acompanhar a inflação. Em geral as ações possuem DY menor, mas uma maior possibilidade de apreciação de capital. 

A distribuição de renda no FIIs é isento da mesma forma que os dividendos em ações. Porém existe uma jabuticaba que é o Juros Sobre Capital Próprio (JSCP). Esse rendimento é taxado em 15%, exclusivamente na fonte, sem possibilidade de recuperação no ajuste anual.

A carteira de FIIs foi simulada com os últimos doze meses de pagamento dos seguintes FIIs: RBRD11, FFCI11, SDIL11, ABCP11, VRTA11 e KNCR11.

O DY foi calculado numa carteira em que cada ativo possui o mesmo peso e a cotação de fechamento de 06/04/2018.

Para ações utilizei uma carteira bem conservadora com ITSA3, BBSE3, TAEE11 e EGIE3.

O DY foi calculado numa carteira em que cada ativo possui o mesmo peso, com os dividendos e JSCP do último ano e a cotação de fechamento de 06/04/2018.

Com os juros baixos, os FIIs estão bem caros. Se essa conta fosse feita utilizando um DY de 18 messes atrás, o valor necessário para a renda passiva desejada seria incrivelmente menor. Sem contar a belíssima apreciação de capital que tivemos neste período. Só para constar eu acredito que outras oportunidades como essas virão e eu quero surfar a próxima onda!

Quanto Custa sua Independência Financeira?

Vamos direto ao assunto, abaixo temos uma tabela com o custo da IF!
Tabela 2: Quanto custa sua Independência Financeira




Conclusão
Como pudemos ver existe IF para todos os bolsos e características de investidor. Eu sou do tipo que gosta de diversificar e por isso não sou focado em apenas um tipo de investimento. 

Por exemplo, se uma pessoa tem contato com o conceito de IF hoje e resolve realocar seus investimentos de uma vez, pode ser que escolha comprar somente FIIs. Porém, quando o ciclo de aumento de juros vier esse investidor terá de ter muita resiliência já que o valor de mercado de seus ativos vai derreter.

O próximo ciclo de alta de juros os FIIs dará melhores entradas ao investidor, assim como deram há uns 18 meses. É preciso ser paciente para pegar essas oportunidades. Como estou no início desta jornada quero pegar a próxima onda de FIIs.

Outra questão é que as Ações Brasil que escolhi são boas pagadoras de dividendos e o mercado de ações no Brasil não é normalmente assim. A simples inclusão de Ambev e Vale na seleção poderia aumentar substancialmente o valor necessário para atingir IF.

O Imposto de Renda é fator fundamental nessa equação e é preciso estar atento, existiu no passado uma iniciativa para taxar os proventos dos FIIs. Essas discussões podem retornar e é por essas e outras que gosto de diversificar.

Principalmente por conta da questão tributária eu não considero Tesouro Direto com pagamento de juros semestrais na minha carteira. Gosto daqueles que devolvem tudo no vencimento. Penso nestes investimentos como seguro: para caso algo dê errado e não como fonte de renda passiva.

Para minimizar o estrago do IR eu consideraria o ideal ter dois imóveis pequenos como fonte de renda para ficar nas faixas mais baixas de tributação. Além disso, considero este ativo como uma interessante fonte de renda.

Previdência privada é a fonte de renda que menos me agrada, no passado contava muito com ela e tenho reduzido (percentualmente) a exposição já que não direciono aportes para esta modalidade como fiz no passado.

Atingir IF com ativos em dólar é muito caro para nós brasileiros, especialmente pela questão tributária. Além do mais, o mercado estadunidense está bem próximo ao seu topo histórico. Com o início do ciclo de aumento de juros por lá os ativos parecem estar sofrendo um pouco. O investidor tem que ter paciência para aumentar posição, já que o valor dos REITs e Ações estão no  meio de uma correção.

Em cada momento haverá alguns ativos mais machucados que outros e é por isso que não canso de dizer que sou pela diversificação. Vou comprando minha IF em suaves prestações, sempre atento ao que o mercado está desdenhando.

A minha IF contará com cada um dos ativos da tabela em diferentes proporções, de forma a ponderar o impacto do imposto de Renda.

E você , qual a sua estratégia?

Grande abraço, bons investimentos e até o próximo post!!!

Disclaimer: Não sou analista certificado. Todos os ativos apresentados nesse blog são apenas ilustrativos, não representando qualquer indicação (nem de compra, nem de venda, nem de manutenção).
Este blog serve apenas para fomentar discussões e trocar experiências.

Conheça bem o mercado que você investe, pois os resultados de suas operações são de sua inteira responsabilidade.

Comentários

  1. Ir diversificando em valor e não fazer muitos cálculos... Tento aportar o máximo possível assim que recebo o salário. Abraços. Belo post.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Invisível!
      Valeu pelo comentário! Cada um tem que ir pelo caminho que lhe seja melhor, acho isso muito importante!
      Sucesso!

      Excluir
  2. Olá Janota,

    Muito boa sua estrategia. Eu também não quero ficar vendendo meus ativos para a cobrir minhas despesas. Atualmente estou comprando ações e FII's para viver de renda. Por enquanto estou aportando alto.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente! Você tem uma taxa de aportes realmente impressionante!
      Abraço!

      Excluir
  3. Olá Janota! Também não calculo tanto, mas penso em ter parte da renda da IF por locações de imóveis, FIIs, Ações e Renda Fixa. Abração

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá VdC!
      Acho diversificação fundamental! Hoje meus aportes estão voltados para FIIs e ações boas pagadoras de dividendos, mas não viro as costas para nenhuma possibilidade. Como falei no post quero ter um ou dois imóveis gerando renda no futuro.
      Abraço!

      Excluir
  4. Muito bom esse post, vou guardar pra futura referencia. Tambem nao sou grande fan de cupom de juros. Porém vender titulos antes do fim pode implicar prejuízo. No fim só a diversificação salva. Parabéns pelo artigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Vagabundo!
      Títulos públicos são mais difíceis que o senso comum acredita, como você mesmo ponderou.
      O ideal é entrar quando os juros reais estiverem altos, ou então ir de selic que não tem erro. Sempre a de vencimento mais longo para reduzir taxas!
      Abraço

      Excluir
  5. Os meus investimentos preferidos continuam a ser as ações de dividendos e os FIIs, pela sua segurança e pela isenção de IR nos proventos, que no longo prazo traz uma grande vantagem em termos de renda passiva.

    Abraço e bons investimentos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá DIL!
      Hoje meus aportes estão voltados para ações e FIIs também. Essa vantagem tributária é excelente.
      Grande abraço!

      Excluir
  6. Não faço muitas contas, vou aportando o máximo que dá! Parabéns pelo post

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeu FeP!
      Aportes fazem muita diferença!
      Grande abraço!

      Excluir
    2. Tb concordo, quanto menos contas melhor, rs

      Excluir
  7. Belo post Janota! Uma variável que tem me ajudado muito agora, são os juros compostos, eu fiz algumas analises do meu patrimônio e até já pensei em parar de aportar e deixar somente que o tempo faça seu trabalho, já tenho 51 meses de histórico do meu desempenho, se eu conseguir um desempenho de rentabilidade próximo do meu histórico nos 51 meses vindouros meu objetivo de IF vai ser alcançado só com o crescimento da bola de neve.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Surfista!
      É sempre importante englobar os 3 pontos (rentabilidade, aporte e controle de gastos) como disse lá no início do post. Pois na minha opinião sair da corrida dos ratos é um processo que começa quando a gente muda nossa forma de pensar.
      Não aportar pode ser uma forma de curtir melhor a vida, mas tem que estar atento pois aumentar seu consumo hoje pode dificultar a redução de padrão lá na frente. Mas tudo isso é bem pessoal, pois cada um sabe o que passou para chegar até aqui. Reduzir a frugalidade pode também ser saudável!
      Aqui em casa estamos pensando num “teste drive“ tirar um ano sabático antes da decisão definitiva. Isso também queima caixa e reduz o efeito dos juros compostos.
      Grande abraço!

      Excluir
  8. Excelente análise Janota. Completinha e mostra uma perspectiva geral. Infelizmente não temos acesso aos IRA ou Roth IRA nos EUA para não ser tributado até os 60 anos como eles tem....pra nós é sempre mais difícil. Abcs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá AA40,
      Quem dera poder fazer a poupança de aposentadoria com esses dispositivos...
      Aqui tem é fgts kkk
      Sempre sou pela diversificação, não tem como adivinhar o futuro, outra vantagem é driblar o leão fazendo essa diversificação e trabalhando os limites de isenção.
      Abraço!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Calculando Impostos de investimentos no exterior: passo a passo

Conta BB America - taxas ocultas