Mercado de opções nos EUA: 5 características fundamentais e exemplo prático

Olá Galera da Finansfera!

Tenho aumentado meus conhecimentos sobre opções na terra do Tio Sam e como fiz no passado, esse é o momento de compartilhar um pouco do que tenho aprendido, o que é bastante útil para fomentar discussões e ajudar no aprofundamento dos assuntos. A ideia hoje é compartilhar um resumão bizurado.




Antes de falar de opções preciso falar de ações. Nos EUA se compra ações de forma similar à compra de FIIs aqui no Brasil. Ou seja, posso comprar quantas unidades eu quiser, não há lotes. Quero ser sócio da Coca-Cola (KO) e percebo que as ações estão no preço que estou disposto a pagar, olho para o balanço da minha conta e conforme meu saldo lanço uma ordem para adquirir 5 ou 105 ações. Aqui no Brasil se quiser adquirir 105 ações, terei que adquirir um lote de 100 e depois entrar no mercado fracionário e comprar mais 5. Nos EUA o fracionário é de fato uma fração, ou seja, um número menor que 1, mas não vamos entrar nesta seara.

Voltando ao nosso tema, vamos às principais características do mercado dos EUA e as diferenças em relação ao nosso:

1 - Negociação por contratos
No mercado de opções dos EUA, o que se negocia são contratos. Nesse caso fica bem parecido com o nosso mini dólar futuro ou mini ibovespa futuro. Um contrato de opção nos EUA equivale a um conjunto de 100 ações. 

2 -  As bolsas e os vencimentos das opções
O mercado de opções é muito desenvolvido, assim como o acionário, de forma que temos várias bolsas oferecendo derivativos. NYSE, NASDAQ e CME apenas para citar as mais importantes e todas elas disponibilizam vários ativos, strikes e vencimentos. De forma que pode ir esquecendo essa história de 3a segunda-feira de cada mês para vencimento de opções, tem opção vencendo o mês inteiro.

3 - Custos
Outro ponto é que o pagamento de corretagem é pelo número de contratos negociados, mais uma vez é bem parecido com nosso mini dólar futuro e mini ibovespa futuro.

4 - Cotações
As cotações são disponibilizadas no valor do prêmio por ação. Como o contrato representa 100 ações, é necessário multipicar o prêmio x número de contratos x 100 para saber o valor total a ser recebido/pago pelo negócio realizado. Aqui também há semelhanças com nosso mini índice e mini dólar.

5- Ajustes no strike das call em função de dividendos
Outro ponto a se considerar é que não há ajustes no preço de strike, como vemos aqui no Brasil e registrado no nosso exercício com call da ITUB. Isso se dá por dois motivos:
5.1 - As opções americanas podem ser exercidas a qualquer momento. Por isso, se o titular das opções quiser os resultados dos dividendos terá de exercer seu direito de compra.
5.2 - Os dividendos tem alta previsibilidade e por isso quem compra e quem lança deve fazer bem seu dever de casa, para não cometer erros básicos de desconsiderar os dividendos na hora de estipular se o prêmio é vantajoso. Eu comenti um erro básico no nosso mercado de opções e relatei neste post.





Somente para ilustrar, a Ford (F) anunciou dividendos extraordinários em janeiro/18, tão gordos quanto seus pagamentos trimestrais já esperados. Uma surpresa dessas pode mudar o rumo de um trade que estava prestes a virar pó!

Vamos a um exemplo prático!

A Coca-Cola (KO) estava sendo negociada a 41,70 USD no momento que fiz este levantamento (05/15/2018). Ao realizar a busca por uma opção da KO no app da Interactive Brokers (IB) temos a seguinte tela.
Fig. 1: Tela de escolha do derivativo
Temos opção de escolher a bolsa de valores que iremos operar, a opção padrão é SMART. Nesta opção eu deixo a IB procurar a oferta mais vantajosa por mim nas diversas bolsas onde o derivativo está sendo negociado. O campo seguinte é o mês de vencimento, para este exemplo escolhi o mês de Junho/18. Depois escolho se quero CALL ou PUT, neste caso optei por CALL. Por último eu defino o strike, a faixa de valor, que varia a cada 0,50 USD, então escolhi 42,00 USD, que é o strike logo acima do preço do ativo.

O resultado desta busca foram 5 vencimentos para o filtro escolhido. Escolho 08/Jun/18.
Fig. 2: Tela do Booking do Derivativo
Esta é a tela do booking de negociação para o derivativo escolhido. O mercado está fechado e o último negócio está indicado em fonte maior no canto superior esquerdo. O gráfico mostra a evolução dos preços.
Fig. 3: Tela de negociação do deriviativo / Probabilidades e Indicadores

Fig. 4: Tela de negociação do derivativo / Cenários -30% a +30%

Fig. 5: Tela de negociação do deriviativo / Cenários -5% a +5%

Escolho vender o derivativo e o painel de compra apresenta uma série de informações interessantes: as gregas, as probabilidades de ganho, o gráfico da estratégia (lançamento de opção de compra à descoberto) e uma tabela com a variação dos ganhos e das gregas com a variação do preço do ativo. É outro nível, moçada!





Vamos supor aqui um lançamento de 2 Call de KO @ 42 com vencimento em 08/Jun/18 a preço de mercado. Com essa ordem me comprometo a vender 200 ações de Coca-Cola ao preço de 42,00 USD em qualquer momento até o dia 08/Jun/18, por um prêmio de 0,46 USD por ação, totalizando um prêmio de 92,00 USD. Esta operação geraria um rendimento de 1,82% ou 2,28% a.m. em caso de exercício.


Fiquei bastante interessado na possibilidade de realizar compras de ativos que quero encarteirar, utilizando o lançamento de Put, técnica que discuti neste post. Isso seria possível, já que o mercado dos EUA têm o nível de liquidez necessária para executar essa estratégia. Apesar do meu entusiasmo em testar essa estratégia, tenho que fazer isso com bastante parcimônia, já que a grana para comprar 100 ações da Coca-Cola de uma vez só é muito maior do que meu nível mensal de aporte! Esse mercado de opções é para peixe grande!

Posso tentar com ações mais baratas como as da Ford, mas tenho que ir comendo pelas beiradas, pois não posso correr o risco de concentrar demais em alguns ativos: estaria contrariando a minha regra de ouro para aportes e felicidade nos investimentos.

Em breve farei os primeiros testes e divulgarei aqui no blog.

Grande abraço, bons investimentos e até o próximo post!!!

Disclaimer: Não sou analista certificado. Todos os ativos apresentados nesse blog são apenas ilustrativos, não representando qualquer indicação (nem de compra, nem de venda, nem de manutenção).
Este blog serve apenas para fomentar discussões e trocar experiências.
Conheça bem o mercado que você investe, pois os resultados de suas operações são de sua inteira responsabilidade.

Comentários

  1. Vixi, você está anos luz na minha frente.... quando e se o mercado americano desabar vai ser hora de diversificar pra mim. No momento só tenho fundos de ações SP500 através do plano de aposentadoria do meu empregador, a hora que pedir demissão coloco a mão nessa grana e a ideia é migrar para corretoras americanas e de preferência para REITs, quando isso acontecer vou pedir sua ajuda pelo visto... espero que não esteja cobrando consultoria até lá!rs

    Sr. IF365

    Blog do Sr.IF365 | Acompanhe meus últimos 365 dias antes da IF e Aposentadoria Antecipada
    www.srif365.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá SrIF!
      Mas você me alcança rápido. Rsrsrs
      A grande vantagem para mim é ter investimentos que pagam dividendos em dólar. Assim terei conforto para planejar um tempo da IF viajando sem preocupação com câmbio.
      Essas estratégias são acessorias para turbinar a rentabilidade.
      Grande abraço!

      Excluir
  2. Muito bom Janota. Anos luz realmente IF365.
    Quais suas compras de dividendos atualmente nos EUA JanotA?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá A40!
      Na minha carteira de dividendos eu apostei na diversificação. Estou posicionado em: ETP, mo, f, khc, adm, so, gis, main, gww, bpl, k, cvs, m, t, cah, mrk, tgt, oxy, apu, pfe e bep. Nestas empresas a alocação varia de 9% a 2%. Tenho outas que só molhei os pés:
      Ibm, qcom, gsk, ed, yorw, ul, rds.a, duk, pg e ko.
      Abraço!

      Excluir
  3. Excelente post. Só fiquei com dúvida em como fica a tributação das vendas de call e put, entra na isenção de R$35mil?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Lucas,
      Minha referencia é o Perguntão da Receita. Por tudo que li lá entendo que se encaixa exatamente na isenção de 35k por mês. Mas tem que ter atenção no cálculo da cotação (parecido com o exemplo da venda a prazo)
      Abraço!

      Excluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Calculando Impostos de investimentos no exterior: passo a passo

Rentabilizando em FIIs com a subida da taxa de juros